Artigos

Mudanças aleatórias na conduta de micróbios podem acelerar a evolução

As mudanças no fenótipo podem promover mutações genéticas que permitem que os micróbios se adaptar rapidamente às mudanças do ambiente. Esta é a conclusão a que chega o físico da Universidade de Edimburgo, Bartlomiej Waclaw, que usou um modelo de computador para entender como o fenótipo de um organismo, neste caso, o seu crescimento, pode influenciar em seus genes em um ambiente que não apresenta alterações. O experimento ajudá-lo a entender o que faz com que as bactérias conseguem ser resistentes aos antibióticos.
A simulação situava-se as bactérias em dois cenários diferentes, em um deles os forçava a atravessar uma região extremamente exigente no que lhes custa sobreviver, enquanto outro grupo chegava ao destino sem percorrer “o vale da morte”. No final do caminho, ambos os grupos apresentavam mutações, em dois casos diferentes, mas as primeiras podia-se ver que as mudanças tinham feito mais fortes. Os sobreviventes dos dois grupos, se misturavam e delas surgiram novas bactérias que, sem a necessidade de atravessar a passagem, eram tão fortes. Este tipo de comportamento, explicam os autores do trabalho publicado no Arxiv, é o que as torna resistentes e há muito rápido, entre 10 e 100 gerações si mesmos.
Prevenir esta rápida adaptação das bactérias é fundamental para evitar que sejam resistentes, por isso, “identificar os interruptores que facilitam e aceleram essas mudanças será muito útil para evitá-los ou, pelo menos, demorarlos”, conclui Waclaw.
Compreender esse mecanismo é fundamental para projetar antibióticos

You Might Also Like